Raquel Versieux - Ere+º+úo para o escuro ontog+¬nese - foto Rafael Adorj+ín (5)

Em cartaz | “Aparição”, coletiva com curadoria de Fernanda Lopes

(Rio de Janeiro, RJ)

A CAIXA Cultural Rio de Janeiro recebe até janeiro a mostra “Aparição”, que apresenta algumas possibilidades para se (re)pensar a definição e a prática da Escultura. A mostra tem curadoria de Fernanda Lopes e conta com a participação de 17 artistas, incluindo Adriano Amaral, Ana Paula Oliveira, André Griffo, Daniel de Paula, Débora Bolsoni, Felipe Cohen, Frederico Filippi, Matheus Rocha Pitta, Raquel Versieux e Wagner Malta Tavares.

12373360_1077033318996787_3103165294108761743_n

“Aparição” oferece um panorama recente da arte brasileira com 30 trabalhos em suportes de vídeo, fotografia, objetos, arte sonora, instalação, performance e intervenção. Dezessete artistas de diferentes gerações dialogam de maneira variada com a questão tridimensional.
 
Alguns desses artistas utilizam materiais e fazem uso de processos convencionais como entalhar, fundir e modelar. Outros abrem mão da estrutura estática e apresentam a escultura contemporânea por meio de fotografia, vídeo e performance. Há ainda trabalhos que partem de referências diretas à história da escultura, como Brancusi e Michelangelo.
 
“Ao longo dos últimos cinco séculos, a ideia de escultura se apresenta cada vez mais distante de uma questão meramente técnica ou formal. Sua definição convencional como ‘a arte e a técnica de plasmar a matéria entalhando a madeira, modelando o barro, cinzelando a pedra ou o mármore, fundindo o metal etc., a fim de representar em relevo, ou em três dimensões, estátuas, figuras, formas abstratas’ parece dizer muito mais sobre o que hoje não é mais escultura do que sobre o que é. Nesses 30 trabalhos, realizados entre 2005 e 2015 fica claro que já não é possível pensar esse meio como antes. Elementos básicos como a relação com a arquitetura, o corpo, o material e a história; a representação do mundo; a noção de forma e tempo estáticos; o ato de esculpir; e até mesmo a tridimensionalidade aparecem aqui repensados, desconstruídos, ressignificados, colocados à prova”, afirma a curadora Fernanda Lopes.

O título Aparição remonta a uma reflexão do pintor e escultor italiano Michelangelo sobre seu processo de trabalho, quando dizia ver uma estátua em cada bloco de mármore. “Vejo-a tão claramente como se estivesse na minha frente, moldada e perfeita na pose e no efeito. Tenho apenas que desbastar as paredes brutas que aprisionam a adorável aparição para revelá-la a outros olhos como os meus já a veem”, dizia o artista.

Participam da mostra: Adriano Amaral, Ana Paula Oliveira, André Griffo, André Terayama, Bruno Baptistelli, Daniel de Paula, Débora Bolsoni, Felipe Cohen, Flora Leite, Floriano Romano, Frederico Filippi, Gabriela Mureb, João Loureiro, Jorge Soledar, Matheus Rocha Pitta, Raquel Versieux e Wagner Malta Tavares.

“Aparição”, coletiva com Adriano Amaral, Ana Paula Oliveira, André Griffo, Daniel de Paula, Débora Bolsoni, Felipe Cohen, Frederico Filippi, Matheus Rocha Pitta, Raquel Versieux e Wagner Malta Tavares
Curadoria de Fernanda Lopes
Em cartaz até 10 de janeiro
Entrada franca

CAIXA Cultural Rio de Janeiro
Av. Almirante Barroso, 25 – Centro
Visitação: terça a domingo, das 10h às 21h
t: + 55 21 3980-3815



Copyright © Instituto Investidor Profissional