Screen Shot 2016-02-12 at 11.37.26 AM

“Exposição de Verão” chega a sua 13ª edição com curadoria de Luiza Teixeira de Freitas

(Rio de Janeiro, RJ)

A galeria Silvia Cintra + Box 4 recebe a partir da próxima semana sua 13ª Exposição de Verão, “Sem Saber Quando Virá o Amanhecer…”, com curadoria de Luiza Teixeira de Freitas, membro do Comitê de Indicação PIPA 2016.

12646943_1102796849744434_3961086404679564403_n

Leia abaixo o texto da curadora sobre a mostra:
Em 1970, Vinicius de Moraes escreveu que `não há coisa no mundo mais viva do que uma porta’. O poeta definia na perfeição esse objeto ou artefato que tem uma presença tão vincada em nossa existência e no entanto praticamente invisível. Uma porta, um objeto de passagem, através do qual pessoas entram e saem de um lugar. Objeto que pode ser feito de um ou qualquer material e que pode significar tanto ou nada. Que tem poder como palavra para analogias – ‘uma porta que se abre’ (ou fecha). São infinitas as intepretações que podem provir e ser usadas com este tão simples elemento.

Na história da arte a porta tem sido usada frequentemente como referência, desde a Porta de Marcel Duchamp na 11 rue Larrey, Paris; até às silenciosas portas nas pinturas de Vilhelm Hammershøi. Calvino usou vezes sem conta portas e janelas como ferramentas essenciais em suas Cidades Invisíveis (mesmo que de forma invisível); e para Cortazar em Casa Tomada a porta torna-se quase uma virgula de tanto que é usada. Com William Blake o uso da porta é uma metáfora às limitações humanas de percepção do mundo, e se olharmos bem para trás, temos na Roma Antiga, Janus, deus mitológico dos inicios, das mudanças e das transições, guardião das portas e das passagens; podíamos até ir mais longe ao 4 Século, aos budistas chineses e suas ideias de permanência e passagens, e do tempo que passa por entre portas intangíveis.

As referências podiam ser ad infinitum, pois ao longo da história do pensamento humano, a porta carrega em si uma simbologia global, vincada e intemporal. Na verdade, falamos de portas, como podíamos falar de gavetas, espelhos, escadas ou mesmo rosas. Os símbolos são a base da capacidade de comunicação e criatividade humana.

Nesta exposição apresenta-se um conjunto de obras de diferentes artistas que aludem, questionam e enaltecem a essência deste objeto corriqueiro tão carregado de significado.

O espaço será transformado pela obra de Roman Ondak – Path, um cubo branco colocado logo na entrada da galeria, alterando toda a percepção do próprio cubo branco da galeria. Pode caminhar-se por fora ou dentro do cubo. Um corte horizontal feito ao nível da altura do artista atravessa todo o cubo e funciona como uma marca de passagem, remetendo a questões de presença e ausência, ao movimento de pessoas e a existências efémeras. Diretamente relacionado a essa questão de tempo e do infinito, a obra de Eduardo T. Basualdo Mar Abierto, um relógio sem números.

A porta como forma abstrata está presente nos trabalhos de Leonor Antunes, Lucia Koch e Tiago Tebet que aludem indiretamente ou sutilmente a elementos de limite entre espaços, e com Julius Koller e Roman Signer, a transgressão e o não-limite; a ruptura com delimitações.

Marilá Dardot traz para a exposição uma alusão poética e visual, assim como Rodrigo Hernandez que nos trabalhos da série apresentada A Sense of Possibility, refere toda essa questão de separarmos a nossa existência física da percepção mental que temos dessa mesma existência, quando uma não é mais que representação da outra dentro do nosso intelecto.

Nas pinturas de Tomás Colaço os detalhes da paisagem e do interior de um sanatório trazem à exposição o caráter do espaço físico contraposto com o espaço psicológico. Portas e passagens como analogias de uma viagem mental ou até psicadelica, assim como nos trabalhos de Nelson Leirner ou Francesca Woodman.

Finalmente, o trabalho de Alek O. The Doors, que documenta todas as portas pela qual a artista passou num dia de seu dia-a-dia em Londres, um retrato de um quotidiano que podia ser em qualquer outro lugar do mundo, com quaisquer outras portas, um retrato da vida, do quotidiano, das escolhas, das entradas e saídas, dos espaços e dos não espaços – da extensão de portas em cada vida.

Participam da mostra: Alek O., Eduardo T. Basualdo, Francesca Woodman, Julius Koller, Leonor Antunes, Lucia Koch, Marilá Dardot, Nelson Leirner, Rodrigo Hernandez, Roman Ondak, Roman Signer, Tiago Tebet e Tomas Colaço.

13ª Exposição de Verão: “Sem Saber Quando Virá o Amanhecer…”, com Lucia Koch e Marilá Dardot
Curadoria de Luiza Teixeira de Freitas

Abertura: 18 de fevereiro
Em cartaz até 19 de março

Silvia Cintra + Box 4
Rua das Acácias, 104 – Gávea
Visitação: segunda a sexta, das 10h às 19h; sábado, das 12h às 18h
t: +55 21 2521-0426



Copyright © Instituto Investidor Profissional